O cenário brasileiro conta com uma taxa SELIC alta, inflação nas alturas, crise econômica, preço do combustível e derivados descontrolados, entre muitos outros problemas. Juntamente com isso, temos o cenário internacional fortemente afetado pela guerra na Ucrânia.  

Entretanto, mesmo em um cenário extremamente desfavorável, temos visto o dólar em queda livre aqui. Ele já chegou a bater próximo aos R$ 6,00, mas atualmente oscila na casa dos R$ 4,60. Esse recuo representa uma redução de valor na faixa de 16%, o que faz do real a divisa relevante com melhor desempenho no ano.  

Mas quais os motivos de isto ocorrer e como aproveitar este momento? Vamos a seguir mostrar o porquê do atual cenário e que opções de investimento para o dólar em queda. 

Por que temos o dólar em queda? 

Em primeiro lugar é preciso saber que não há um motivo em especial, mas sim uma série de fatores. Eles, em conjunto favoreceram o cenário do dólar em queda. Entre as muitas razões, podemos elencar algumas das principais: 

  1. Busca de ativos em países emergentes, por conta de um rebalanceamento das carteiras de grandes investidores. O motivo é o ciclo aperto monetário estadunidense e ações de big techs que por conta disso deixariam de surfar em ondas de juros baixos; 
  1. Forte alta da Selic, que aumentou os rendimentos de investidores graças ao diferencial de juros daqui para outros países. Este fato fez com que a renda fixa e títulos públicos ficassem mais atraentes para estrangeiros; 
  1. Encarecimento de commodities. 

Por conta desses e de mais outros fatores, o país contou com uma grande entrada de dólares. Aí entra a questão da demanda. Ou seja, quanto mais dólares circulando aqui, mais barato ele fica. Assim como o real ganha força com este movimento. 

Quem ganha e quem perde com isso 

Um movimento como esse de dólar em queda, assim como todos na economia traz situações de quem lucra e quem perde dinheiro. Por exemplo, um exportador passa a lucrar menos com suas vendas por conta da conversão. Por outro lado, um importador passa a ganhar mais pelo motivo oposto: ele passa a pagar menos para importar. 

Para investimentos, segue-se uma linha parecida, mas com a diferença que alguns não sofrem nenhuma influência, seja ela positiva ou negativa. Por exemplo, os fundos prefixados não sofrem influência dessa variação, nem para mais, nem para menos. 

Enquanto isso, os de renda fixa sofrem, porém de forma indireta. No caso deles, por conta da queda do dólar e da inflação mais controlada (pelo menos na teoria), fará com que os juros caiam (também teoricamente, pois atualmente falamos em um cenário ainda de juros bem altos). Sendo assim, investimentos como CDB, Tesouro Selic, Tesouro IPCA+, LCI e LCA, rendam menos. 

Já outros, como fundos cambiais sofrem interferência direta, pois a rentabilidade dele diminui com o dólar em queda.  

No que vale a pena investir com o dólar em queda? 

Finalmente chegamos à parte dos investimentos. Aí vem a pergunta: mas afinal no que investir em um cenário de dólar em queda?  

Em primeiro lugar vale observar que falamos especialmente de uma oportunidade de diversificar sua carteira de investimentos. Além disso, também traz possibilidades de se começar a investir no exterior e também ter alguma proteção para cenários de alta. Afinal, falamos de algo relativamente comum no Brasil. 

Dito isto, os investimentos mais procurados neste período de dólar em queda são: 

  • BDRs – os “Brazilian Depositary Receipts” são investimentos em ações de empresas estrangeiras, mas com cotações em real. Com o dólar em queda, sua procura aumentou; 
  • Fundos cambiais – estes são fundos prefixados atrelados à variação cambial. Com a valorização do real, muitos buscam esta alternativa considerando a valorização futura; 
  • Ações de empresas – por fim, temos as ações de empresas nacionais. Conforme mostramos ao longo do artigo, muitas se beneficiaram do dólar em queda, fazendo destas ações atrativas e consequentemente muito valorizadas. Por outro lado, empresas em baixa, mas com possibilidades de retomadas, também tornam-se atrativas neste cenário. 

Considerações finais

Trouxemos alguns dos investimentos mais buscados neste perído de dólar em queda. Entretanto, vale pontuar que:

Investir diretamente no exterior, envolve um cenário de juros e rendimentos diferentes do que muitos estão habituados aqui. Se fazer investimentos assim sem o conhecimento de gente especializada em território nacional já é um risco, lá fora a chance de prejuízo aumenta ainda mais. Por isso, caso seja seu desejo comprar ações no exterior, busque sempre ajuda especializada. 

Aqui na IN nós oferecemos o serviço de câmbio, que realiza operações de compra e venda, tanto do dólar turismo como do comercial, sempre buscando as melhores cotações.

Open chat